Mané Chiné – Ilha do Pico

 

Era meia-noite cerrada, ó Mané-Chiné

Dizia o filho prá mãe

Vai de banda , vai de banda , olé , Vai de banda , ó Mané-Chiné -BIS

 

As moças da Ribeirinha o Mané-Chiné

São poucas mas dançam bem

Vai de banda , vai de banda , olé , Vai de banda , ó Mané-Chiné -BIS

 

O padre cura das Relvas, ó Mané-Chiné

Está metido numa alhada

Vai de banda , vai de banda , olé , Vai de banda , ó Mané-Chiné -BIS

 

Que correu atrás das moças , ó Mané-Chiné

Com as fraldas levantadas

Vai de banda , vai de banda , olé , Vai de banda , ó Mané-Chiné -BIS

 

Minha avó quando morreu ó Mané-Chiné

Deixou-me uma mala em deixa

Vai de banda , vai de banda , olé , Vai de banda , ó Mané-Chiné -BIS

 

Deixou-me uma mala velha ó Mané-Chiné

Que já não abre nem fecha

Vai de banda , vai de banda , olé , Vai de banda , ó Mané-Chiné -BIS

 

Anda cá meu preto, preto, ó Mané-Chiné

Meu queimadinho do sol

Vai de banda , vai de banda , olé , Vai de banda , ó Mané-Chiné -BIS

 

Quanto mais preto mais firme , ó Mané-Chiné

Quanto mais firme melhor

Vai de banda , vai de banda , olé , Vai de banda , ó Mané-Chiné -BIS